domingo, 23 de julho de 2017

Aterramento: a base para a mudança efetiva

Sempre ouvimos falar sobre a necessidade de estar no agora, embora a teoria se distancie da prática devido às imposições aceleradas que a própria vida nos coloca e oferece. Sabemos o que fazer, mas não sabemos por quê nem como. Desde que comecei a me aprofundar em estudos que propiciem melhor qualidade da vida, percebi que o princípio do "aterramento" aparece em todas as filosofias e técnicas, sendo a base para o começo das mudanças em realidades problemáticas e opressoras.


imagem pinterest

Estudos mostram que além de pensarmos em excesso temos dificuldades de mantermos o foco e quando o fazemos, dispersamos a cada 5 segundos! Por exemplo, na alquimia desmembrada por Jung, o princípio do aterramento, chamado "Coagulatio", é simbolizado pela terra, pela necessidade do ser humano de estar inteiro no momento presente, metaforicamente "enraizado", por mais difícil que esteja a realidade.

Quando estamos em situação problematica  recaímos no erro dos 3 "R": Resistir, ou seja, não aceitar o momento presente (ou não nos aceitar); Reagir, tomar atitudes baseadas no sistema primitivo de defesa; Rejeitar, tentar fugir, ir para longe, inclusive de si. Esses princípios nos mantém desconectados do corpo e portanto, dos outros e de nós mesmos. As soluções que aparecem são calcadas no medo, (auto) julgamento, (auto) crítica e (auto) defesa.

É um erro imaginar que as melhores soluções são as tomadas somente pelo cérebro, dito racional. O físico quântico Amit Goswami diz que em todo sistema de economia deveria haver uma pessoa extremamente criativa e intuitiva, que ouvisse além do mental, o que faria uma substancial diferença construtiva para o sucesso.

A solução é deslocar o foco pautado no mental (ego) para a integração corpo, mente e coração. Infelizmente nossa cultura nos ensinou que usar somente o cérebro é o mais sábio, e posso atestar que quando integramos o sistema e aprendemos a silenciar o excesso de pensamentos aí sim, o verdadeiro sentimento de lucidez aparece, o que desperta sólidos estados de força e equilíbrio. O estado de presença evita que nossa vida seja governada pelo piloto automático.Um dos principais momentos criativos é na hora do banho, quando conseguimos diminuir o ritmo dos pensamentos. Estudos mostram que vários publicitários tem ideias geniais nesse momento, por estarem com o ego desarmado e com plena consciência criativa.

Há três chaves para reverter o desaterramento:
1 - Não se deformar para atender as expectativas em qualquer campo: quanto mais distantes estamos do que somos, menos aterrados estamos, mais dificuldades aparecem.
2 - Reverter a deficiência para estar em contato com a realidade: resistir a enfrentá-la paralisa a realidade.
3 - Trocar a reação por ação: a reação provoca soluções pautadas no medo e defesa, nos caminhos conhecidos e que levam ao mesmo lugar, já a ação é positiva e criativa.

Alguns passos práticos para a retomada interior:
- O corpo é sua âncora. Pare alguns minutos, todos os dias, sobretudo quando estiver ansioso ou angustiado, e simplesmente sinta cada parte do seu corpo, se concentre nisso.

- Use o sistema dos três "A" para a resolução dos problemas:
1 - Aceite a realidade: não significa resignação, conformismo ou passividade (novamente domínios do ego), e sim entender, sem sentimentos amargos, que há um problema a ser resolvido;
2 - Ação para resolver a situação, que pode ser mudar o que for possível, nos afastar do que está nos distanciando do que somos ou mergulhar no problema estando aberto para soluções criativas;
3 - Acolher: não adianta ficar batendo de frente, e sim tomar uma postura mais relaxada. Os três "R" despendem muito mais energia física, mental e espiritual do que os três "A", mas estamos acostumados a agir pelos três "R", e sempre que colocamos energia no que queremos evitar, mais situações similares estamos provocando.

- Troque a motivação (sentimento pautado em algo externo) por entusiasmo (sentimento genuíno interno).

Dois exercício práticos que podem ajudar:
- Simplesmente respire por três minutos, três vezes ao dia, prestando atenção no corpo. Só isso.
- Se quiser aprofundar, quando começar a acalmar, desenhe mentalmente três triângulos imaginários: um parte do topo da cabeça, passa pelos ombros e volta à cabeça (mente); outro parte do topo da cabeça, passa pelas mãos e volta à cabeça (coração); outro parte do topo da cabeça, passa pela base dos pés e volta à cabeça (corpo); depois que estiver dentro dos três triângulos, expanda-os até sumirem do campo de visão. Esse exercício é bom para integração completa e a dificuldade no desenho de algum dos triângulos pode mostrar qual a deficiência que se tem no momento.

Pessoal, sei que o post ficou longo, mas posso atestar o quanto o aterramento é benéfico, e olha que já tive Síndrome do Pensamento Acelerado (e dá-lhe pensar bobagem, rsrsrs). Alguns passos podem ser difíceis, por exemplo, eu não conseguia compreender como poderia aceitar algo com o qual não concordo ou que considero injusto, mas depois compreendi que só assim a serenidade vem à tona e com ela, a capacidade para resolver ou elaborar os problemas. Estar no presente não significa entregar a vida de bandeja para o "destino" (mais uma vez, percepção do ego), e sim continuar com sonhos, planos e objetivos, porém otimizando a energia e capacidade para que sejam direcionadas para a ação,  domínio do medo e do sistema de defesa.

No aterramento nos apropriamos do que somos, nos acolhemos, e viramos nosso maior aliado.


27 comentários:

  1. Puxa, que maravilha! E com tão pouco podemos conseguir ótimos efeitos disso em nossa vida!Adorei! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chica, é verdade, parece uma instrução simples, estar no aqui e agora, mas na prática nos deixamos levar pelas circunstâncias e acabamos desconectados. A retomada, como diz, traz ótimos efeitos a curto prazo. Abraços!

      Excluir
  2. Não conhecia como "aterramento", contudo, considero fundamental viver, focar o hoje e o agora, parar de "nadar contra a corrente", não desistir de sonhar, mas, fincar os pés no possível, acreditar e agir de forma transformadora e criativa.

    Um abraço e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Apon, linda e sucinta colocação! Também conheci (ou percebi) recentemente o termo "aterramento", talvez seja uma denominação mais atual para um conceito que existe há tempos, porém raro de se ver na prática.
      Você compreendeu muito bem, não significa se abandonar à corrente, e sim nadar com ela tendo como plano de fundo sonhos e objetivos. Assim conseguimos encontrar saídas, uma a uma, e com isso alimentamos progressivamente o sentimento de (auto) confiança, liberando nosso eu criativo. Abraços!

      Excluir
  3. Olá Bia querida


    Maravilhoso...
    Quanta saudades da tua escrita... Sempre tão clara e linda.


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ani, obrigada pelo carinho, abraço!

      Excluir
  4. Olá, Bia,'in-riba tudis'... penso que nosso organismo não foi feito para guardar nada e tanto o corpo quanto a mente e o coração pesam na medida em que algo se acumula e uma hora transborda ; para limpar tudo isso,devemos nos livrar do excesso que não nos servem mais. Não é qualquer um ,mas daí podemos recair no erro dos 3 "R";presos às antigas formas de ser e de compreender o exterior. Não é fácil abandonar o medo, julgamento, crítica e defesa , própria e dos outros .É preciso tempo e paciência para aprender a lidar sem ferir as pessoas e nem a si mesmo.Por isso se não houver um aterramento devidamente projetado e mantido, todas as nossas reações, resistências,rejeições encontrarão outros caminhos não planejados.Ademais, como foi 'dito', apoiados no chão, nós obtemos a segurança de que não vamos cair , ou seja , tudo é esperado,mas podemos manejar, desfocando dos pensamentos e focarmos na integração,mente-corpo, coração, para podemos seguir em frente: uma base firme, presença no aqui e agora e ações ativas, tendo como aliado principal,'nós mesmos!'...
    agradeço pelo carinho,feliz semana,belos dias,abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felis! É impressionante a capacidade que temos de guardar os excessos negativos sem sentirmos. Já perdi a conta de quantas vezes na vida me vi em desespero ou depressão por conta disso, e do quão trabalhoso é "sair do poço", limpar essa bagagem venenosa, e dói mais ainda quando nos damos conta de que ela está ali porque nós permitimos que se acumulasse.
      "Não é fácil abandonar o medo, julgamento, crítica e defesa , própria e dos outros". Essa sua fala me lembrou muito o que também tenho lido/visto: se a "espinha dorsal" da identidade pessoal for construída em cima do sofrimento gerado por medo, julgamento, crítica e defesa, romper com esse sofrimento é como romper com a própria identidade, por esse motivo pode ser tão difícil e trabalhoso, mas vale o incentivo de saber que passado esse primeiro momento de "perda de identidade", se reconstruir em cima de uma espinha dorsal de amor, alegria, satisfação e leveza com certeza, não tem preço. É possível, porque eu mesma vivia inconscientemente no mito de que o sofrimento valoriza nossa história, só ninguém leva em consideração, a que preço - ainda preciso aparar arestas. E como colocou em seguida, por mais que tenhamos muito cuidado, "nossas reações, resistências,rejeições encontrarão outros caminhos não planejados", pelo simples motivo de que esse não é o estado natural do ser humano, é um estado aprendido, introjetado, que fatalmente chega consequências indesejáveis.
      No mais, sua conclusão foi perfeita! Apoiados no aqui e agora, com controle da tríade corpo, mente e coração sobre o puramente cerebral, temos a segurança de que não vamos cair! :)
      Obrigada pelo carinho e participação sempre tão bem vinda! Abraços!

      Excluir
    2. Olá, Bia,'in-riba tudis',agradecendo pelo carinho da visita e belo, inteligente e pertinente comentário em meu blog e para 'dizer' que o Supercérebro - do D.Chopra - está na minha 'listinha' de próximas leituras,feliz semana, belos dias,abraços!

      Excluir
    3. Oi, Felis, obrigada, que bom que o comentário acrescentou!
      Estou na metade final do livro e gostei muito, fala de PNL, explica um pouco do funcionamento cerebral mecânico, traz dicas práticas para resolver problemas duradouros definitivamente mudando a consciência, com uma linguagem simples e rápida, espero que goste!
      Domar a mente não é algo fácil pois estamos acostumados ao usual e tendemos à ele mesmo que nos provoque sofrimento, porém temos a capacidade de realizar novas conexões neurais tornando nosso cérebro, nosso amigo.
      Abraços!

      Excluir
  5. Bia,

    Este seu texto apareceu para mim em boa hora! Guardado para reler, especialmente sobre as dicas de alguns passos práticos para a retomada interior.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Siisym, que bom, quando aprendo algo diferente e útil logo penso em compartilhar aqui e quem sabe assim, posso ajudar quem precise. Os passos práticos são ótimos e muito práticos, vale a pena tentar, mantendo a disciplina nas repetições logo você verá a diferença! abraços!

      Excluir
  6. Se for um problema post longo eu tô ferrado....rs Adorei o texto, Bia. Não conhecia esse termo aterramento e achei interessante. Ficou uma postagem bem esclaceredora.Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio! Seus posts são os melhores sobre a tv, eu é que ando meio desinformada, rsrsrs. Gosto muito do termo aterramento pois nos mostra que integrar mente, coração e corpo é muito mais racional do que parece, nos conecta ao momento de uma forma mais inteira, real e profunda. Abraços!

      Excluir
  7. Bia, boa noite querida!!

    Eis que você compartilha conosco um artigo de utilidade pública nos atuais dias querida!
    O maior problema é tentar desacelerar os pensamentos: pensamos sempre adiante e muitas vezes, no pior!
    Manter o foco, o equilíbrio é tão complicado Bia! Nossa, como tento!!

    A integração corpo, mente e coração facilita acalmar os nossos pensamentos não é mesmo?
    Puxa, aqui li e reli lições preciosas. É uma novidade para mim! É vivendo e aprendendo!!
    Agradeço por passar informações riquíssimas! Farei, inclusive o exercício dos 3 triângulos imaginários e vou tentar relaxar também no banho, pois recentemente nem isto estava mais conseguindo...rsrs

    Beijos e uma linda semana Bia!! :)))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adriana!
      Concordo contigo, uma das maiores dificuldades é desacelerar os pensamentos. Ainda hoje assisti num vídeo-curso que temos cerca de 70 mil pensamentos por dia! Sendo que boa parte deles são negativos, ou seja, imagine a quantidade de lixo mental que acumulamos e que inconscientemente perpetuamos em ações e escolhas erradas e ilusórias em nosso dia a dia!
      Daí a necessidade urgente de buscar ferramentas para limpar a mente e assim poder usá-la com mais sabedoria, num nível em que muitos pesquisadores chamam de "ponto zero", onde, com os pensamentos (e por consequência, sentimentos) sob controle, nossa consciência não sofre tanta interferência do medo instintivo e limitante ocasionado pelo ego. Nesse ponto paramos de gastar energia com pensamentos desgastantes e inúteis e liberamos espaço para que a intuição e a criatividade comecem a nos mostrar alternativas, pois como é possível liberar espaço para o que é novo e criativo se estamos nos bombardeando com uma espiral de pensamentos?
      Espero que tudo o que leu aqui seja muito útil! No momento do banho sempre busco me entregar ao prazer da água quentinha caindo no corpo, do sabonete passeando pela pele, e mantenho a mente muito agradecido por ter essa bênção em casa, sempre é uma atitude relaxante.
      Abraços!

      Excluir
  8. Bia, tenho lido sobre o tema e sei que o princípio dos 3 R e dos 3 A faz todo o sentido.
    Conheço bem o síndrome do pensamento acelarado - que ocorre - o grande chato - principalmente durante a noite,
    .
    Conheço a terapêutica, mas como é difícil aplicar! Concentrar apenas na respiração não é tarefa fácil não!
    Insistir, insistir sempre, este o meu Karma.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nina! Sim, o princípio faz todo o sentido quando estudamos um pouco mais a fundo. Eu tive por anos Síndrome do Pensamento Acelerado especialmente à noite, bastava algo me acordar para que a cabeça entrasse em ação, pensando sempre no pior, e demorava muuuito para desligar! Nesse caso a solução veio no final de 2014 com o Livro Mude sua vida em 7 dias, de Paul McKenna, ele traz dicas ótimas baseadas em PNL para desacelerar o pensamento que devem ser aplicadas diariamente junto com um CD de reprogramação mental. Após alguns meses consegui reverter a Síndrome a tal ponto que desde então muito raramente perco o sono pensando. Recomendo!
      Tem razão, concentrar na respiração parece fácil, mas não é, assim como conhecer a teoria dos 3R/3A ou a terapêutica de nada vale sem a prática. Como você também estou no caminho do insistir e já é um ganho enorme quando não desistimos da vida, pois nascemos para a plenitude, paz e felicidade. Abraços!

      Excluir
  9. Aos pouquinhos estou voltando!!!
    Muitas mudanças no Blogger, ainda me adaptando...
    Deu um problema e perdi todos os blogs que eu seguia, por isso estou seguindo novamente tá?


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ani, li no seu blog sobre seu problema com a plataforma, que coisa! Que bom estar de volta! Abraços!

      Excluir
  10. Oi Bia, quanta coisa boa podemos aprender sobre o aterramento ! Confesso que não entendo muito bem Jung, mas deve ser porque não me aprofundo e não o estudo com afinco. Mas lendo da forma como você escreve, ficou mais fácil.
    Eu me considero determinada quanto ao foco de algo que me interessa, mas quanto a respiração e algumas meditações, rapidinho me desconcentro. O sono se apodera de mim. Pode ?
    Adorei estar aqui, bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zizi! Um dos meus projetos é estudar a fundo a obra de Jung, algo que demandará tempo e dedicação, pois trata-se de uma obra vasta e muito interessante. Algo a se fazer sem pressa ao longo da vida. Seu estudo sobre o significado metafórico da alquimia é mesmo curioso!
      Não consigo fazer meditações muito longas kkkk, também sinto sono, mas um pouco de meditação é melhor que nada, e como o faço durante a prática do reiki (cerca de dez minutos por dia) não se torna algo monótono. Esses dias inclusive vi que essa é uma das explicações para a orientações que eu nunca havia entendido sobre "manter a coluna ereta" durante a prática: é um meio de manter a mente concentrada e menos suscetível ao sono.
      O importante mesmo é viver bem!
      Abraços!

      Excluir
  11. Desconhecia esse termo/conceito "aterramemto". Lendo o seu texto, parece-me que faz sentido. É toda uma prática a experimentar. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luisa, é verdade, não custa nada experimentar. Sempre que me vejo dispersa, começo a errar ou esquecer coisas, a ficar confusa ou triste, logo imagino que deve estar faltando "aterrar", e sempre funciona. Abraços!

      Excluir
  12. Oi Bia, bt!
    Salvando também seu texto pq ando aceleradíssima amiga. Estou naquele ponto de 10.000 pensamentos em um segundo, acho que deve ser então a tal da "síndrome do pensamento acelerado" kkk. Amei o post!
    Bjsss 💋

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dinha, que bom que gostou, espero que o post seja muito útil! Sofri por anos com essa Síndrome e hoje vejo que pensamos demais em vão. Uma outra boa dica para reduzir o ritmo é buscar parar de pensar nos problemas e começar a pensar em soluções, como essas demandam maior criatividade a qual estamos menos acostumados, o ritmo naturalmente desacelera.
      Abraços!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.